Economía

“Trump está interessado em aumentar o seu poder e riqueza”

Hombre encuentra un bebé momificado en el congelador de su difunta madre

Entre Donald Trump e a imprensa a relação foi sempre muito tensa. Quem sofreu mais com ela – no seu entender, o presidente dos EUA ou a imprensa? Trump tem manipulado com sucesso a imprensa americana, que nunca encontrou uma forma eficiente de cobrir a sua atividade. Ele ficou chamuscado no processo, mas, até agora, isso não parece tê-lo magoado muito. Acho que saberemos a verdadeira resposta a esta pergunta em novembro de 2020, quando os eleitores se pronunciarem.

Acha que Donald Trump acordou, de certa forma, o jornalismo, tornando-o mais necessário? Não acho que a imprensa estivesse a dormir mas acho que o nosso papel é mais importante do que nunca tendo em conta o comportamento de Trump. Incluindo a sua incapacidade de dizer consistentemente a verdade.

A imprensa ficou também menos objetiva. Onde acaba a objetividade e começa o jornalismo que toma um lado, o partidarismo? Sente esse viés? Ainda o combate, ou já deixou de o incomodar? Não acho que seja ser enviesamento perseguir assertivamente a verdade. E rejeito a ideia de que a imprensa esteja em guerra com Donald Trump. Como o diretor do The Washington Post , Marty Baron, diz: Não estamos em guerra, estamos a trabalhar. E como eu própria gosto de dizer: não é resistência, é jornalismo.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Esta é uma discussão que não começou com Trump. Deve a imprensa ser mais objetiva? Ou é chamar uma mentira de mentira a epítome da objetividade – nas mais presentes circunstâncias? Concordo com a última sugestão. E a minha coluna mais recente, chamada “Andar à volta do racismo de Trump é uma traição à verdade jornalística”, explica esse argumento, precisamente.

Ao princípio a imprensa estava até um pouco espantada com as atitudes de Trump e o seu estilo – dir-se-ia que estava um pouco tímida e cautelosa. O que mudou? Houve uma certa tendência de tentar “normalizar” o presidente e o seu estilo de governação. Penso que isso mudou de certa forma, com o tempo, mas não completamente. É um equilíbrio difícil.

O seu tom nas crónicas também mudou… ou não? O que a fez mudar de ideias? Não concordo. Acho que fui sempre dura com Trump, quando necessário, sempre. Não houve mudança de tom ou de abordagem, no meu caso.

Não está o presidente também a jogar um jogo perigoso? Precisa da atenção dos media e tantas vezes está a tentar matar o mensageiro da mensagem que quer passar? Ele diria (e eu concordaria) que tem o seu próprio método de fazer passar a sua mensagem – através das redes sociais e através dos seus comícios e discursos, etc… Ele fala diretamente para a sua base de apoiantes e não precisa assim tanto dos media tradicionais.

Sente-se por vezes como uma guerreira? Como uma lutadora pela liberdade? Como uma partisan ? Nenhuma dessas coisas. Sinto-me como uma jornalista. Claro que, porque eu escrevo uma coluna de opinião, tenho mais latitude, mais liberdade, mas certamente não me sinto nenhuma dessas coisas. Só estou a tentar pôr as pessoas a pensar, e talvez aumentar o entendimento delas sobre as situações.

Como é que a América pode recuperar de Trump? Como pode ultrapassar as divisões por ele criadas? Os americanos precisam de ter um pensamento mais cívico, ser mais bem-educados sobre o seu governo e mais bem informados por fontes reais de notícias – e precisam de votar de acordo com as suas consciências – quaisquer que elas sejam.

Quais os efeitos disto tudo na próxima campanha, e no lado dos democratas? Que tipo de candidato seria melhor para defrontar Trump? Um conservador ou um radical? Não sou política e não tenho filiação partidária. Essa decisão não depende de mim. Mas acho, no entanto, que é trabalho dos media tratarem os candidatos todos por igual e em iguais quantidades de escrutínio – qualquer que seja o seu género e o seu lado político.

Depois de todos estes anos – e parecem longos -, qual é a imagem que tem de Donald Trump? Não acho que ele tenha nenhuma crença profunda. Acho que ele está interessado em aumentar o seu poder e riqueza pessoal, e está sempre à procura de atenção devido à sua personalidade e psicologia próprias. Até o seu racismo tem esta base, na minha opinião.